quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Heróis e Bandidos



Em 1989 realizava-se a primeira eleição presidencial desde 1961. Todas as tendências políticas estavam representadas. Foi a última eleição realmente politizada de nossa história recente. A escalação era sui generis: na direita, Paulo Maluf.   No centro, Mário Covas. Na meia direita, Fernando Collor, e, na meia esquerda, Luis Inácio disputava o posto com Leonel Brizolla. A ponta esquerda estava, de fato, desprovida de representantes, mas, o conjunto da opinião pública, influenciado grandemente pelas grandes mídias se encarregou de colocar Lula neste posto. 

Eu já era ex-militante do PT, mais pela minha impaciência e falta de disciplina, do que pelos defeitos do partido, que era o mais organizado dos partidos de massa, ou seja, aqueles voltados para o grande público, e não centrado em si mesmos, como os partidos de "quadros", como se auto intitulavam os nanicos marxistas. No entanto, eu torcia pelo Leonel Brizolla, por que achava que o PT não tinha justamente os quadros necessários para comandar uma transição tão difícil, como seria o da ditadura para a democracia plena, convivendo com as diferenças sociais e os interesses capitalistas tão fortes e politicamente poderosos, que desde sempre influenciaram os governos nacionais, inclusive os militares. Já o PDT tinha gente experiente e bem formada, cheia de qualidades, como o professor Darci Ribeiro e o arquiteto Oscar Niemayer, além do próprio Brizolla, um comandante de porte internacional, que já havia provado sua capacidade de organizar mudanças. 

Meses antes da eleição, fui a um encontro de ambientalistas na Chapada dos Guimarães, próxima a Cuiabá. Lá, a maioria das pessoas presentes eram torcedores do Mário Covas, devido a sua fama de moderado e habilidoso nas negociações, uma qualidade que Brizolla não tinha. Até o pessoal do PV, cujo candidato era Fernando Gabeira, torcia pelo Covas, a começar pelo Gilberto Gil, que animava a festa e falava pelos cotovelos nas horas vagas, quando não estava cantando ou discursando.

Apurados os votos do primeiro turno, surpreendentemente Lula ficou 200 mil votos na frente de Brizolla e assumiu a tarefa de dar combate a Collor no segundo turno. Covistas e Brizollistas insistiam que ele deveria renunciar, deixando esta tarefa para alguém mais experiente e palatável ao gosto do povão. Diante do absurdo proposto, Lula desafiava os aliados com bravatas "quando eu quis ter um filho, eu fiz o filho, não pedi pra ninguém fazer", ou "se o povo quisesse o Brizolla no segundo turno, teria votado nele mais do que em mim", até que o velho caudilho gaúcho decretou "É, vamos ter que engolir o sapo barbudo".

Lula não fez feio na votação final. Acho que a diferença foi abaixo dos 10 milhões de votos, mas, com todas as forças conservadoras a bater-lhe impiedosamente, perdeu para Collor de Mello. O ambiente das vésperas do pleito estava carregado. Nós tínhamos muito medo de um novo golpe, enquanto os ultra esquerdistas desafiavam a direita escancaradamente, sem medo de ser feliz. Mario Amato, presidente da FIESP, dizia que se Lula ganhasse, 800 mil empresários deixariam o país. O presidente do Bamerindus contratava artistas e soltava dinheiro a rodo, em apoio a Collor, cuja campanha suja foi buscar uma filha fora do casamento e o depoimento da mãe dela, a acusar que Lula tinha tentado que ela abortasse a criança... Assunto tabu no Brasil, que destrói lideranças construídas em longos anos de intenso trabalho. Foi o caso de Lula. No debate final contra Collor, Lula não foi bem. Mas, na edição da Rede Globo, veiculada fartamente pela TV na véspera da eleição, Lula era apresentado como um idiota despreparado, enquanto Collor brilhava como bom moço. Bonito já era, contra o baixinho e feio Lula, mas, em termos de propaganda enganosa, a TV foi ao seu momento mais triste em nossa história. 

Hoje, Lula é o grande lider político brasileiro. Venceu a eleição na prefeitura de São Paulo com um ilustre desconhecido, que tinha 3% das intenções de voto quando começou a campanha. Bancou Dilma como candidata e a elegeu, contra as forças da direita convencional, que se reagrupavam em torno de José Serra, quanto contra os petistas da velha guarda, que viam Dilma com desconfiança, por ela ter vindo do PDT de Brizolla, ou melhor, de Alceu Collares, do qual foi secretária tanto na prefeitura quanto no governo do estado. Se quiser, volta à presidência em 2014, apesar de Dilma ter-se antecipado e se lançado com todo o poderio de sua artilharia pesada, a caneta presidencial. Se Lula quiser, basta ordenar à convenção petista que não dê a Dilma o direito de disputar a reeleição, e duvido que sua ordem seja desobedecida. Mas, não o fará, por que não precisa. Dilma lhe faz todos os desejos e vontades.

Diante desse quadro de hegemonia política, eu me pergunto por que o PT precisa dos aliados que tem. Collor empurrou goela abaixo da nação o sequestro das contas bancárias da população, quando tinha apenas 18% de apoio no congresso. Por que Dilma precisa ter esta maioria escandalosa e, para isso, dar abrigo em seu governo a figuras como Sarney? Por que não organiza sua base de acordo com métodos modernos, alinhados com sua política de governo, orientada para a reforma social? Por que insiste em manter aliança com o que há de mais retrógrado na política brasileira?

Alguém é capaz de me responder?


quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

O Nada é Tudo




Tenho hábitos madrugadores. Desde tenra idade, acordo com a luz do sol. Antes, levantava-me e ia caminhar, depois tomava uma boa ducha gelada e saia para o trabalho, onde fazia o desjejum e iniciava com gosto as atividades do dia, renovado pelo frescor da manhã bem vivida... Tempos já passados, hábitos tornados dispensáveis pela aposentadoria e terceira idade que finalmente chegou. Então, fico mais um tempo na cama, meditando. 

Me-ditar é uma prática boa, significa "dizer para mim mesmo", ou, de outro modo, ouvir a minha voz interior. Nesses momentos, antes de botar o pé no chão da cozinha para o café da manhã, fico um tempo fazendo Reiki, orando minha reza miscigenada de catolicismo e budismo, fazendo símbolos no ar e pronunciando pedidos explícitos em bom português. Na verdade, a maior parte do tempo fico agradecendo, mas, minha ganância sempre encontra o espaço de um novo pedido, um novo desejo, uma nova vontade de atingir mais isso e mais aquilo, não necessariamente em termos de valores medíveis, mas, na linha da realização sensorial afetiva de auto aplacamento das vivências perdidas no tempo. A busca pela paz interior, digamos assim...   Gostaria de poder escrever neste horário, para registrar melhor os insights, mas, infelizmente outros deveres menos charmosos, mas igualmente importantes, me chamam, como aguar as plantas e trabalhar na jardinagem da Chácara Holística, um enclave maringaense pé vermeio no centro do Rio Tavares, interior da Ilha de Santa Catarina. 




video




Dylan rompeu com o judaísmo, por não aceitar sua herança maldita de dor e sofrimento. Migrou para o cristianismo, ora vejam só! Parece que ficou pouco tempo por lá... Eu também rompi com minha herança religiosa, por não aceitar os dogmas introduzidos pelos romanos, coisa que só fui tomar conhecimento histórico muito tempo depois das missas domingueiras com minha avó, dominu-dominis, confessionários, hóstias e padres com vestidos-batinas, incensos, dúvidas e mistérios. O respeito e o medo impedem a reflexão, até que chega a idade da consciência e tudo fica questionável, até os dogmas.  Ninguém precisa mesmo de nenhum salvador, ninguém está pagando seus pecados com o sangue de ninguém, nem há pecado, de fato. Apenas contas a acertar.  Todos seremos salvos, é apenas uma questão de tempo. Aliás, o que é o tempo? Na perspectiva universal da eternidade, o tempo nem conta. Minha base atual só poderia ser teosofista, depois de tudo, mas, não sigo movimento nenhum. Acho que a maestria deve ser algo construído individualmente,  embora pense que talvez seja bom ter uma relação mestre-discípulo. Acho que ajudaria na evolução de ambos, desde que o mestre não se revele um espertalhão, o que é mais comum do que as pessoas imaginam, como aprendi desde que minha namorada de muito tempo atrás contou-me que seu "mestre" lhe disse que, se ambos ficassem pelados, o efeito energético seria maior, rs rs rs... Quanto a isso, não resta dúvida de que seria !
  
Não tenho vergonha de dizer que fiz trinta anos de terapia. Do grito primal ao divan lacaniano. Participei de grupos de biodança, chamanismo, bioenergética e terapia convencional em grupo, várias vezes. Acho que tudo me ajudou muito, ainda que também me tenha levado muito dinheiro. Apenas para dez dias de internamento num sítio em Itapecerica da Serra no ano de 1990, foram mais de mil dólares. Investia muito em terapias, por que eu me sentia muito culpado de ter, de certa forma, rompido com a família tradicional quando caí no mundo. Ela nem eu nunca nos perdoamos por termos valores tão diferentes. Quando me descasei pela primeira vez, as crianças ainda muito pequenas, passei por profunda crise pessoal que me levou a síndrome de pânico. Aí muito me ajudaram as terapias, especialmente aquelas fincadas em vivências profundas, em jornadas de final de semana, do tipo psicodrama ou catarses com meditações dinâmicas, feitas em grupos fechados, de auto confiança e proteção. Foram minhas mais verdadeiras experiências comunitárias.  






O amor é mesmo a base de tudo, no entanto, mesmo pessoas amorosas podem tentar impor suas visões de mundo aos demais viventes. É o caso de nossos heróis cristãos, né? Quem não acreditaria na boa vontade de um João Paulo II? No entanto, foi o principal responsável pela igreja católica regredir décadas, talvez séculos, e voltar a seu mundinho de exclusões e preconceitos. Uma vez fui a Brusque participar da festa de 80 anos do mestre Edino Kruguer , o maior personagem musical catarinense de todos os tempos, professor, compositor, diretor, músico, ativista cultural, secretário pessoal e ajudante de Villa Lobos, uma sumidade tão perfeitamente integrada em sua humildade, que não precisa de nenhum reconhecimento oficial, como realmente não o tem. Ele é luterano, como bom alemão, e a festa estava programada para a frente da Catedral de Brusque. Choveu a píncaros e uma comitiva foi falar com o padre, para deixar que o concerto de uma orquestra sinfônica da PM do Paraná fosse executado dentro da Catedral. Ele não deixou e o concerto foi cancelado. A princípio fiquei revoltado com a atitude do padre, e não só por que o estado brasileiro gasta milhões mantendo e reformando catedrais católicas, mas, principalmente pelo seu profundo desprezo com o semelhante diferente, no caso uma personalidade luterana. Achei que teria sido elegante da parte dessa autoridade católica retribuir um pouco do que recebe da sociedade, abrindo-se para aquela ocasião especial em Brusque. 

---  "Não, senhor!", responderia um eventual interlocutor burocrata católico.  "O estado não faz mais do que sua obrigação, já que as Catedrais são imóveis tombados pelo patrimônio histórico".    

Tá bem, já passou, já nem me lembro como era a triste figura do padre. Mas, é bem difícil saber quando o coração está no comando ou quando o ego é que predomina. Imagine um monge tibetano que se imola pela libertação de seu país do jugo estrangeiro. Até que ponto está sublimando sua própria vida em função de uma causa nobre ou até que ponto está indo ao extremo do egoismo, destruindo-a em função de uma causa que o tornará respeitado e talvez famoso. Outro caso são os homens bombas islamitas. Claro que são extremos, casos de provável e profundo desespero, mas, o que dizer de Madre Tereza de Calcutá? Uma vida inteira dedicada à caridade, sendo capitalizada pelo establishment conservador e elitista do Vaticano. Eu considero religiosidade e espiritualidade coisas bem próximas, senão sinônimos, mas, isso não tem nada a ver com igreja. Os chefes de igrejas se consideram os portadores da religiosidade, e bem sabemos que não são. É perfeitamente possível iluminar-se espiritualmente numa catedral milenar católica, como a Notre Dame à beira do Senna, ouvindo a música de um luterano alemão como Bach, interpretada por  Anglicanos, apenas para ficar no mundo cristão, uma minoria absoluta em termos religiosos no planeta ...










Viajar por culturas e paisagens estranhas também pode ser uma forma de contemplação, muito próxima da religiosidade. Gosto muito de viajar assim.   Prefiro o estilo mochileiro, que me deixa livre, leve e solto, além de sair muito mais barato, claro. Nas cidades, prefiro andar de metrô ou ônibus. É impossível andar por Paris, Londres, Madrid, São Paulo, se não for assim. Uma vez fui de trem ao Charles De Gaulle pegar o vôo para Madrid. Encontrei um brasileiro sozinho na fila do checkin. Ele levava quatro malas imensas e pagou 80 euros de taxi. Eu havia gasto 4, imagina a diferença de estilos. Ele só queria saber de como estava indo a Bolsa de Valores em SP, eu estava chegando na França, ele voltando ao Brasil e achava que eu poderia ter informações úteis. Ao final, perguntou-me se eu havia ido ao Crazy Horse. Esse também é o nome da minha banda de rock preferida e, para espanto do meu parceiro de fila, eu perguntei: "Eles estavam aqui? Puxa vida, como fui perder essa?".    Desfeitos os equívocos, ficou claro que o Cavalo Louco em questão é uma casa de dançarinas de can can,  rs rs rs. 

Gosto da simplicidade, da natureza e das tradições populares. Evito o luxo e a luxúria. A elite econômica e intelectual não me interessa.   Mesmo em Buenos Aires, eu prefiro as casas de tango mais simples, na periferia, sem aquela ostentação para turistas estrangeiros. Gosto de associar a viagem a um propósito cultural. Já fiz todo o roteiro de Van Gogh, desde sua vila rural na Holanda até seu túmulo nos arredores de Paris, passando pelas margens do Rhone no sul da França. Desci em Barcelona para caminhar com Caetano Veloso e sua vaca profana pelas "ramblas", com Miró e Gaudi,  depois fui de trem até a Noruega, ver as loiras mais sensuais e lindas do planeta. Fui  num coro cantar nos grandes templos católicos, Lourdes, Fátima, Saragoza, El Escorial, Santo Antonio em Lisboa, Matosinhos no Porto e Santiago de Compostela na Galícia. Visitei alguns dos mais deliciosos terroirs do planeta (locais especiais de cultivo de uvas para vinhos) provando seus encantos, da Borgonha aos vinhedos das terras altas arriba do Minho, o mais fino branco sequíssimo da Andaluzia ao branco frutado da Pomerânia, caminhadas à pé pelas montanhas Toscanas e passeios de carro entre milhares de Chateauxs pela planície sem fim de Bordeaux. Sempre que bate a saudade, vou tomar um branco seco no deserto de Cafayate, província andina de Salta, ou um malbec nas cantinas de Mendoza.   Hospedei-me num hotelzinho defronte ao mercado público del Abasto, onde cresceu Gardel, e fui visitar seu túmulo em Chacaritas, no final da avenida Corrientes. Dancei na pista onde hoje está uma das melhores e mais simples casas de tango do mundo, descrita na canção 'Sur', o mais lindo tango de todos os tempos:



"San Juan y Boedo antiguo, y todo el cielo,

Pompeya y más allá la inundación.

Tu melena de novia en el recuerdo

y tu nombre flotando en el adiós.

La esquina del herrero, barro y pampa,

tu casa, tu vereda y el zanjón,

y un perfume de yuyos y de alfalfa

que me llena de nuevo el corazón."








Muitas histórias, verdadeiras viagens sensoriais, delícias para um narrador aposentado, debruçado sobre suas memórias.  É preciso aproveitar o tempo que resta.  Pois, mestre Fellini já ensinava que "La nave va...".   E quem sou eu para questionar???




segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Estratégia ou Sorte ?



Corria o ano de 1982. Eu gostava de caminhar ao léo pelo centro de Floripa, ainda relativamente nova para mim, em busca dos segredos que a velha Desterro escondia em suas entranhas históricas. Subir a Felipe Schmitt até a ponte Hercílio Luz, de onde se apreciava o esplendor do Cambirela e sua cadeia de montanhas, ao fundo da Baía Sul, logo acima dos prédios ainda baixos do centro de São José. Cruzar a ponte à pé e ir tomar cerveja ou almoçar uma feijoada no Tritão, em Coqueiros, hoje tristemente transformado em bar da terceira idade movida à viagra, sob o ilusório nome de "Trintão", ora veja!   Interessava-me particularmente os museus e bares, talvez por alguma herança genética. Refiro-me ao segundo item. 

Pois o Vitor Meirelles ficava exatamente na frente da Quibelândia, mistura de mineiro com turco, intelectual com viciado, gatas gostosíssimas com sapatões incríveis,  enfim, tudo o que um rapaz de 30 anos quer da vida boêmia, além do impagável "quibe", claro, a seis reais a unidade, pudera!    Mas, tinha o Chopp mais bem tirado do país, a preço convencional.  Na Praça XV, a Confeitaria Chiquinho servia suas empadinhas de camarão e o Bar do Japonês fazia sua batida de limão adoçada com mel. 

Ai, ai, ai, ... não dava pra juntar os dois? Não! O freguês tinha que comprar umas na Confeitaria e levá-las empacotadas no bolso para a bancada do Japonês, que não gostava nem um pouco daquela prática desleal, pois ele próprio servia um pratinho de pasteizinhos de camarão, que deixava o freguês vendo papagaio e gritando "Gol do Avaí !". 

E, se o distinto público olhasse para o alto da cozinha, onde se abria a única janela para o mundo externo,  seria capaz de ver que a fantasia era real. 



Pois bem, caminhava eu pela Vidal Ramos numa tarde de sexta feira, bem na frente do point das gatinhas, o antigo Bar Degrau,  quando alguém bate no meu ombro e me diz: "Oi, companheiro !".  Era o marido da futura senadora e ministra, querendo saber onde ficava a sede da ALISC.  Eu tinha sido apresentado ao casal na casa de alguns amigos cristãos, que compartilhavam conosco a criação da escolinha Sarapiquá, então uma cooperativa de pais de crianças pequenas, a maioria comunista e ateu (os pais, quero dizer!)  

O casal tinha recém chegado de Joinville, onde a esposa fora trabalhar como professora de matemática e ele atendia afazeres auxiliares em escritórios de contabilidade. A origem de ambos era a Grande São Paulo, onde atuaram como militantes dos movimentos de base da Igreja Católica, alinhados com os grupos que fundaram o PT. Por isso, eram amigos pessoais de Lula. Ela veio a Floripa para assumir um cargo de direção estadual na associação representativa dos professores de segundo grau da rede pública estadual, numa época em que os funcionários públicos não podiam se sindicalizar, razão pela qual optavam por criar "associações", que, a bem da verdade, eram sindicatos. Ali, na "associação" ALISC, nossa amiga fez carreira e chegou a eleger-se deputada estadual. O mandato não foi grande coisa e o mais certo é que não seria reeleita. Foi então que a sorte bafejou o casal, então já separado (uau! militantes católicos também se separam!).  Perdido por perdido, ela resolveu sair para Senadora. Foi levada na Onda Vermelha de Lula!

Quase o PT faz os dois senadores naquele ano de 2002 e, não fosse uma fatídica semana a separá-los das eleições, faria também o governador, segundo admitiu o próprio Luiz Henrique (PMDB), igualmente beneficiário da "onda". 

Na liderança do governo Lula no senado, nossa amiga fez chover. Primeiro na sua horta pessoal. Depois, choveu a atual mulher de seu ex marido na superintendência estadual do INSS. Ciúmes? Isso é coisa para fracas de cabeça! Principalmente quando o assunto principal são negócios!  Assim que foi possível, nomeou o próprio ex marido como presidente da Eletrosul, a maior estatal federal no sul do país, embora o pobre coitado não saiba a diferença entre uma tomada e um focinho de porco. Isso depois que ele já tinha falido o banco do estado, BESC, incorporado pela falida mãe de todos os banqueiros falidos, o Banco do Brasil. Não seria o caso de ter montado um simples escritório de contabilidade para o sortudo ex marido? 

Agora, consta que dona Ideli vai colocar o ex prefeito Dário Berguer numa diretoria da Eletrosul, além de seu irmão Djalma, que perdeu a eleição em SãoJosé,  num cargo importante do lucrativo setor que cuida de obras em estradas federais. Isso faria parte da sua estratégia regional de combater os Ramos-Bornhausen no comando da oligarquia local há mais de cem anos. Ocorre que  a dupla de irmãos que ela tenta escalar para a importante missão civilizatória, acabam de largar as prefeituras de Floripa e São José na mais completa penúria financeira e moral. Que boa companhia em tão boa hora, dona ministra da articulação política ! Isso lembra minha avó, dizendo sobre os acordos políticos dos coronéis de sua época: "Por fora, bela viola! Por dentro, pão bolorento." 







    

domingo, 13 de janeiro de 2013

Quando fui para a pampa

A palavra "pampa" para nós brasileiros está ligada ao interior do Rio Grande do Sul. Todos imaginamos os gaúchos como os aventureiros dos "pampas", e assim tudo fica meio explicado, meio misterioso, afinal quem são esses pampeiros e como se originaram? Instintivamente, nos damos conta de que se trata de mais uma mestiçagem com os castelhanos. O próprio termo "gaúcho" , para muitos de nós não passa de uma identificação dos habitantes ou nativos do Rio Grande do Sul... Não vamos entrar nesta questão, por enquanto. Vamos ficar apenas com o significado da palavra "pampa",  o que já nos dará suficiente trabalho. 

A palavra "pampa" é um vernáculo Quechua, língua de diversos povos indígenas subordinados ao império Inca, que ia do sul da Colômbia ao norte da Patagônia.  Significa "planície", exatamente o relevo geográfico predominante que se inicia na metade de baixo do Rio Grande do Sul e vai até as escarpas de acesso a Bariloche, nos Andes argentinos. Neste imenso território floresceram dois importantes ritmos musicais. Um urbano, criado nas cercanias de Buenos Aires e Montevidéo, o mundialmente conhecido "Tango". Outro, rural, originado nas solidões perdidas das terras onde não se vê nada além do horizonte, um ritmo tão importante quanto o tango, só que absolutamente desconhecido fora de sua zona de influência regional. Este ritmo é a "Milonga", presente com muita força, inclusive em nossa pampa gaúcha, quero dizer, naquela planície pampeira que fala português. 

No entanto, existe uma outra Pampa, não ao nível do mar como a que estamos falando. A "pampa" andina situa-se a 2 mil metros de altura. Os únicos animais que habitam aquelas paragens nevadas no inverno e quentes no verão, além dos insensatos humanos, são as alpacas e lhamas, animais mamíferos que substituem com vantagem vacas e cabritas.  Os humanos lá estão por conta de uma indústria importantíssima para a economia global, a mineração. A vida destes pobres mineiros foi cantada por muitos poetas, no entanto, nenhum deles chegou perto da chilena Violeta Parra. 





A canção de Violeta é do início da década de 1960. Imediatamente foi associada com as músicas de protesto político que influenciou fortemente aqueles anos no mundo todo, a partir de movimentos denunciando a cruel injustiça que predominava em nossos países terceiro mundistas, vítimas quase sempre da guerra fria entre o "primeiro" e o "segundo" mundos. 

ARRIBA QUEMANDO EL SOL é um tremendo clássico do cancioneiro popular chileno. Clássico e perigoso, por que aqueles que a cantavam nos anos da ditadura Pinochet eram automaticamente acusados de comunistas traidores da pátria, como os rapazes do grupo folclórico Inti Illimani ("festa do sol", em quechua), um dos grupos latino americanos de mais belo vocal que já ouvi. Por cantarem essa e outras canções de Violeta, notória comunista morta em 1966, o Illimani foi expulso do Chile. Só voltou depois que os milicos de Pinochet já não mandavam na justiça e na polícia chilena. Fizeram um show no Estádio Nacional de Santiago, no ano de 2002, para resgatar aquele importante monumento da história moderna do Chile, onde brilhou Mané Garrincha em 1962, que os fascistas transformaram em campo de concentração, logo depois do golpe em 1973, local do sacrifício de milhares de cidadãos chilenos, cujo único crime foi  o de pensar diferente. Naqueles anos, pensar era muito perigoso. Ser independente também. Era por demais arriscado. Apenas por que se negou a saudar o ditador Pinochet, convidado de honra dos ditadores brasileiros, em visita ao "nosso" Congresso Nacional, o deputado baiano Francisco Pinto foi punido com a perda do mandato. Anos de chumbo puro. Salve Inti Illimani e sua festa da reconquista do Estádio Nacional para a nação chilena em paz, ainda que continue injusta!   



terça-feira, 1 de janeiro de 2013

No tempo em que as palavras eram importantes

1964 assistiu o início da ofensiva norte americana no Vietnam, substituindo os franceses que fracassaram na tentativa de evitar que aquele país caísse em mãos comunistas. Guerra fria. O Brasil antecipava em dez anos o ciclo das ditaduras militares sanguinárias na América do Sul.

Um festival de música folclórica nos Estados Unidos lançava um dos mais belos poemas do século passado. Cantado por seu autor, um jovem ainda desconhecido poeta e músico judeu nascido na fronteira com o Canadá. Sobrenome Zimmerman, que achou pouco atraente. Por isso, mudou para Dylan. Poeta inglês vinte anos mais velho que ele, igualmente belo e contestador. 



Nesta apresentação, Dylan já cortava duas estrofes de seu poema, para caber no formato comercial do festival. Um ano depois, o grupo The Byrds atingia o primeiro lugar nas paradas dos Estados Unidos e Inglaterra. Para isso, cortou mais um tantão, ficando só com a estrofe central, que cabia nos 2,5 minutos que a banda dispunha nas rádios do planeta musical. Menos no Brasil, onde o poeta não era considerado bom exemplo para a nossa juventude.   


Muita gente já disse que Dylan gosta de ouvir especialmente dois artistas brasileiros, ambos excelentes compositores, tanto nas letras quanto na inspiração musical. Evidentemente, seria pela sonoridade de seus cantos, já que provavelmente o caipira Dylan não entende patavina de nossa língua. Não duvido. No mundo na música, muitos mistérios inexplicáveis acontecem todo dia. 



















Aos que se atreverem a traduzir, vai a letra completa do Senhor do Pandeiro. 


Mr. Tambourine Man

Bob Dylan

Hey! Mr. Tambourine Man, play a song for me,
I'm not sleepy and there is no place I'm going to.
Hey! Mr. Tambourine Man, play a song for me,
In the jingle jungle morning I'll come followin' you.

Though I know that evenin's empire has returned into sand,
Vanished from my hand,
Left me blindly here to stand but still not sleeping.
My weariness amazes me, I'm branded on my feet,
I have no one to meet
And the ancient empty street's too dead for dreaming.

Hey! Mr. Tambourine Man, play a song for me,
I'm not sleepy and there is no place I'm going to.
Hey! Mr. Tambourine Man, play a song for me,
In the jingle jungle morning I'll come followin' you.

Take me on a trip upon your magic swirlin' ship,
My senses have been stripped, my hands can't feel to grip,
My toes too numb to step, wait only for my boot heels
To be wanderin'.
I'm ready to go anywhere, I'm ready for to fade
Into my own parade, cast your dancing spell my way,
I promise to go under it.

Hey! Mr. Tambourine Man, play a song for me,
I'm not sleepy and there is no place I'm going to.
Hey! Mr. Tambourine Man, play a song for me,
In the jingle jungle morning I'll come followin' you.

Though you might hear laughin', spinnin', swingin' madly crossthe sun,
It's not aimed at anyone, it's just escapin' on the run
And but for the sky there are no fences facin'.
And if you hear vague traces of skippin' reels of rhyme
To your tambourine in time, it's just a ragged clown behind,
I wouldn't pay it any mind, it's just a shadow you're
Seein' that he's chasing.

Hey! Mr. Tambourine Man, play a song for me,
I'm not sleepy and there is no place I'm going to.
Hey! Mr. Tambourine Man, play a song for me,
In the jingle jungle morning I'll come followin' you.

Then take me disappearin' through the smoke rings of my mind,
Down the foggy ruins of time, far past the frozen leaves,
The haunted, frightened trees, out to the windy beach,
Far from the twisted reach of crazy sorrow.
Yes, to dance beneath the diamond sky with one hand wavingfree,
Silhouetted by the sea, circled by the circus sands,
With all memory and fate driven deep beneath the waves,
Let me forget about today until tomorrow.

Hey! Mr. Tambourine Man, play a song for me,
I'm not sleepy and there is no place I'm going to.
Hey! Mr. Tambourine Man, play a song for me,
In the jingle jungle morning I'll come followin' you.