quinta-feira, 20 de março de 2014

A TUDO DIGO QUE SIM, A NADA DIZES QUE NÃO

Meu pai, 94. com um de seus bisnetos, Paulinho, 7 anos.


Eu sou confuso desde criancinha. Desde cedo revoltei-me contra as condições em que fui gerado e criado, e isso já faz parte do meu histórico karmático, desde muitas encarnações passadas.  Meu espírito tem sido por natureza rebelde e principalmente teimoso, além de quase sempre equivocado. Deus colocou-me numa família completamente desarmonizada, um casal formado à moda antiga, vamos ser claros: um casamento arranjado. "O meu pai foi peão, minha mãe, solidão." como diz a canção que tanto me marcou na primeira juventude. Não sei por que, mas, diante da tristeza imensa que era a relação familiar em que eu fui inserido, eu desenvolvi uma alegria alegórica a partir dos meus 15 anos de idade, quando comecei a trabalhar, primeiro em escritórios de contabilidade na função de office boy, depois, numa emissora de rádio, onde realmente me tornei homem, até por conta da minha iniciação sexual com uma das periguetes que iam lá paquerar os locutores.  

No próximo capítulo da novela, vamos encontrar já as desventuras na minha idade adulta. Prometi a mim mesmo várias coisas enquanto me (de)formava no ambiente de tristeza e agonia em que fui criado. Uma das promessas que fiz foi jamais fazer qualquer serviço de "marido", do tipo consertar coisas ou fazer pequenas manutenções em casa, além de não corresponder a nenhum padrão do sonho burguês de vencer na vida e constituir família. Claro está que nunca arranjei bons casamentos, pois sempre fazia as piores escolhas e, além disso, tornei-me um inútil do ponto de vista prático no lar, para desespero das infelizes namoradas. Daí para cumprir a promessa de nunca mais me casar foi apenas um passo. Com uma programação mental desse porte, os relacionamentos estavam destinados a seu triste e esperado fim.    


Ainda assim, sonhei minha vida inteira ao lado de uma mulher amiga, criança, madura, prática, sonhadora, sensível e agressiva ao mesmo tempo, chorona e entusiasta, coração, corpo, sexo e alma. Eu sempre desejei seu toque, sua intimidade inteira, expressiva e sem travas. Mesmo agora, depois de tantas décadas, continuo querendo ainda essa mulher que vislumbra sonhos de envelhecer juntos, como na canção cubana que diz "a tudo digo que sim, a nada dizes que não, para poder construir esta tremenda HARMONIA, que tornam velhos os corações".   







domingo, 16 de março de 2014

Vibrar mais alto até alcançar o céu


Dante passa ao redor de seres espirituais petrificados, presos no limbo astral (Divina Comédia)


--- Mulheres são todas iguais!    Inclusive esta que aí está, ingrata, que me abandonou depois de tudo o que fiz por ela. Eu a tirei da pobreza e da miséria, levei-a para o meu bordel aos doze anos de idade, dei-lhe conforto e educação. Quando eu fiquei velho ela foi se afastando, até provocar meu furor. Então, eu passei a agredi-la moralmente e até fisicamente, até que ela me abandonou de vez, fugindo com outro e deixando-me ao meu próprio auto exílio dentro de minha própria casa. Aos poucos fui me afundando mais e mais nos vícios do álcool e do tabaco, jogando sem parar nas mesas de poker, para ocupar-me e não sentir mais dor. Anestesiei-me até sofrer um derrame cerebral em plena mesa de jogo. Morri, mas, não me livrei da carga emocional neste inferno astral onde vivo, sentindo o abandono desta mulher especial, que eu tanto quis para mim, mas, sei que ela comigo não se importou, afinal, são todas iguais.

--- Nunca tive confiança na minha mulher. Para mim, não sou eu o pai das tres crianças que ela pariu. Sinto que ela sempre teve envolvimento com outros homens, até que, em ato de completo desespero eu a abandonei com as crianças pequenas e as deixei entregue à própria sorte. Sei que houve muito sofrimento, até o ponto do meu filho mais novo ter se revoltado contra mim. Passamos várias encarnações nos agredindo mutuamente. Já fui seu carcereiro e noutras ele me matou. Sempre tivemos vínculos de parentesco entre nós. No último ato desta guerra, ele foi meu avô paterno e expulsou meu pai e nossa família de suas terras. Eu tinha cinco anos de idade e chegamos a passar quase fome. Depois, ele morreu de câncer que se espalhou pelo corpo e, ao vê-lo morrer, eu não sabia se devia me alegrar ou entristecer. Na ingenuidade de meus vinte e cinco anos, eu ainda não tinha a compreensão de que a única cura para o ódio é o perdão. Agora, quando já sou um velho, sinto-me disposto a perdoá-lo e encerrar nossa disputa eterna, sair deste confronto para deixar de vibrar numa frequência tão baixa, e, se tiver a chance de refazer algum laço de amor, crescer na espiritualidade e poder enviar a ele bênçãos de luz, que lhe ajudem a recuperar seu corpo astral e preparar-se para outra chance de sair do círculo vicioso. Eu gostaria muito que isso acontecesse.

--- Eu não quero sair daqui. Aqui tenho tudo que preciso, mulheres, bebidas, orgias, sexo à vontade e na hora que eu quiser. Por que ficaria com uma mulher só, numa vida sem graça? Por isso não aceito os conselhos desse grupo que me quer levar para o que chamam de tratamento. Querem que eu me prepare para voltar a um corpo humano, mas, por que eu faria isso? Já tenho tantos corpos humanos encarnados, todos à minha disposição para saciar meus desejos. É muito fácil fazer com que eles me satisfaçam e, através deles, eu me alimento das energias que preciso. Eu é que sei viver bem, não preciso da compaixão de nenhum auxílio espiritual, aliás, não gosto desses que me oferecem auxílio. Eu sou muito mais sábio que eles e não preciso de nada.

Todos os depoimentos acima foram captados do mesmo espírito, em tres de suas diferentes encarnações. Isso foi feito dentro de um processo chamado Terapia de Vidas Passadas, utilizando a técnica de Captação Psíquica, onde se utiliza um componente mediúnico, com uma ou mais pessoas servindo de médius que se conectam ás personalidades vividas em outras ocasiões por este ente espiritual. 




Não são todas as correntes espiritualistas que praticam esse tipo de terapia, mas, agora, com a entrada da humanidade e da terra na Era de Aquárius, os caminhos de resgate dos karmas pessoais, familiares e interpessoais estão se acelerando. A Terra passará por um profundo processo de mudança, até ser definitivamente limpa das baixas vibrações. A espiritualidade superior, alinhada com os propósitos divinos vai acelerar as mudanças, causando impactos terríveis. A violência desmedida que observamos nos dias atuais nada mais é que a contra partida para o processo de recuperação que já se iniciou, segundo o qual dentro de no máximo sessenta anos a terra estará limpa das energias negativas de vibração inferior, conforme previsão de gente que se conecta com forças cósmicas encarregadas do processo de mudança, por delegação da força Divina que comanda o Universo. Depois de completado o processo de limpeza, não haverá mais neste Plano a ocorrência de crimes contra a vida humana, como estupros e assassinatos, não haverá mais a possibilidade de crimes contra o patrimônio comum ou individual, como assaltos e corrupção, entre outras maravilhas.

Terá chegada a almejada paz e os espíritos iluminados passarão a encarnarem-se aos milhões, trazendo seres de luz conhecidos como crianças de rubi ou de cristal, com a missão de resgatar a humanidade terráquea. Os que não obedecerem a esta lei inexorável da mudança, serão exilados para outras galáxias, para recomeçarem os ciclo de evolução em novas formas de vida, diferentes da forma humana que conhecemos. Será o equivalente aos que os cristão chamam de Juízo Final, após o que os condenados seriam mandados ao inferno e os salvos viverão na companhia do Pai Celestial, ou seja, num mundo de iluminados. Quanto às penas dos condenados, seu sofrimento será continuarem os ciclos de novas vidas encarnados, sujeitos a mesma norma divina que governa o universo desde sempre, a lei de causa e efeito. 

O processo de mudança está baseado no amor e no perdão. Dois mil anos de cristianismo, o que se conhece como Era de Peixes, que ora se encerra, não foi suficiente para queimar o karma do mundo. Uma parte da humanidade obteve tal avanço que chegou a se livrar do ciclo de encarnações, algo que se se pressupõe tenha sido o caso de muitos santos, não só cristãos, mas espíritos de todas as tendências e raças, como parece ser o caso do grande líder indiano Maratma Gandhi. Agora, na Era de Aquários, a queima deste karma será acelerada, embora por algum tempo ainda a Terra vá conviver com as sombras herdadas de eras passadas, como guerras, doenças, miséria e escravidão. 

O resgate desses karmas vai ser feito com novas ferramentas tecnológicas de natureza espiritual, como essas que hoje estão sendo amplamente divulgadas. Até bem pouco tempo, as doutrinas espiritualistas tinham como dogma a não interferência nas vidas passadas de um ente espiritual, mas, agora esta interferência se mostra necessária para acelerar o crescimento e a integração deste espírito, de forma que possibilite sua evolução para o ponto de iluminação. Por que estão sendo disponibilizadas estas novas técnicas? Para permitir que as várias Personalidades resultantes de várias encarnações de um mesmo ser, deixem de se infernizarem e disputarem espaço entre si. 

Então, é necessário tratar cada uma dessas Personalidades que ficaram presas na estrutura de Ego do ser anímico, conhecido como Alma, de modo a integrar todas as sub personalidades de forma harmônica em sua estrutura psíquica. Algumas das técnicas de psico transformação mais atuais, como Psicanálise, Psicodrama, Gestalt, Análise Transacional, etc, não foram suficientes para uma mudança rápida e integral. Já existem técnicas mais modernas, baseadas na hipnoterapia de regressão. Já outras estão baseadas em conceitos ainda mais revolucionários, como a Apometria Quântica, onde se destaca a corporificação transitória das Personalidades em conflito, através do método mediúnico com a ajuda de um terapeuta de vidas passadas. Este processo atua em linha direta com as causas das desarmonias e dos karmas acumulados. 

Com intervenções assim, tem sido verificadas curas milagrosas, onde a Personalidade dominante atual impõe-se regras de conduta que levam a novos paradigmas vibracionais, que por sua vez também impõem limites às anomalias das sub personalidades antigas, estacionadas no umbral do tempo e ainda resistentes. Estas, uma vez integradas à Personalidade dominante, possibilitam  completar-se o ciclo de transformações, abrindo caminho para a evolução do ser encarnado, condição necessária para o progresso e o resgate da Alma, ou seja, para a salvação do ser espiritual eterno.    

Como interagem as Personalidades múltiplas para deteriorar a qualidade de vida da Personalidade atual? Influenciando através de seus vícios, traumas, culpas, medos, crenças, conceitos, automatismos e conveniências egóicas. E qual a chave para a mudança? Cabe à Personalidade dominante atual preparar-se para a batalha, através do auto conhecimento e de um  plano de vôo, ou seja, uma vez conhecidas as sub personalidades e suas características negativas, a única forma de dissolvê-las é com NOVAS ATITUDES.

Ah, mas, isso é muito difícil ...  E quem disse que seria fácil alcançar o céu ? 








sábado, 8 de março de 2014

VIDAS PASSADAS (à limpo)

Na sucessão de tempos imemoriais, conceitos e paradigmas são transitórios


Olhe que boa notícia. Os costumes mudam sem parar.  Meu avô tinha um conselho na ponta da língua: "Menino, nunca discuta sobre futebol, política e religião!". Era certo que o conclave linguístico se acabava em destempero, pelo menos verbal, quando não na troca de ofensas mais graves. Parece que um quarto tema andava ali, disputando pé ante pé para chegar no trio principal de assuntos preferidos para polêmicas entre a rapaziada. Mulher. Principalmente mulher dos outros. Essa temática perdeu o interesse das gerações mais novas, pois os rapazes passaram de comentaristas a alvos dos comentários femininos. Eu explico: as mulheres estão ficando muito mais interessantes do que os rapazes, em todos os campos de atividade humana, até mesmo no campo da conversa de boteco. Os meninos só querem saber de seus celulares padrão I-phone, onde se atualizam com os principais games do momento, e não querem saber de conversa. Mal aprenderam a pronunciar alguns sons guturais e isso é suficiente para se comunicarem entre si. Digitar conversas naquele tecladinho desconfortável, então, nem pensar! Por isso o assunto "mulher" também perdeu importância, até por que a facilidade e variedade de sexualidades disponíveis hoje em dia, não exige mesmo muito preparo intelectual dos rapazes, como antigamente. Basta sacudir e gozar, não necessariamente nessa ordem. As preliminares ficaram por conta dos jogos de futebol ...  

Dos três temas proibidos, futebol, política e religião, a última é disparadamente a mais explosiva, mesmo que se fale de religiões convencionais, bem conhecidas do grande público, como as igrejas cristãs. Mesmo entre elas, quando o evangélico se coloca como proprietário da chave da salvação, o católico se sente ofendido, e vice versa, daí gerando grandes conflitos. Imagine então quando o tema invade áreas tabus.  Vidas Passadas, por exemplo.  Trata-se de uma área tão sensível, que o mais comum é que as pessoas façam chacotas daqueles que acreditam em reencarnações. Um famoso escritor brasileiro chegou a produzir um livro parodiando o assunto, sob o ponto de vista da galhofa: "Minhas Vidas Passadas (à limpo)", onde o leitor tem oportunidade de dar gostosas gargalhadas, divertindo-se com as situações fictícias que ele cria para meter-se em grandes enrascadas num passado improvável, que ele próprio não leva à sério. 

No entanto, a Reencarnação é, junto com a Lei de Causa e Efeito, os principais dogmas de religiões que envolvem bilhões de pessoas no planeta, como os budistas, por exemplo.  E se há reencarnação, é por que tivemos várias encarnações anteriores, ou seja, vidas passadas. Caso elas estejam registradas em alguma mídia, que tal recuperar o script? Qualquer ser humano estaria interessado neles, nem que fosse por curiosidade. Mas, se o interesse é avaliar o que foi feito ou os acontecimentos importantes e fundamentais de cada oportunidade, afim de promover a melhoria e o aprendizado constante ao longo da eternidade, neste caso o estudo e a análise dessas vidas passadas seria uma verdadeira benção para o vivente. Ou não seria?

Em quase todas as religiões já experimentadas pela humanidade, o ser humano tem como objetivos a evolução espiritual e o aperfeiçoamento ético. Nossa passagem pelo plano físico seria um projeto da Divindade para aceleração dessa evolução, portanto, uma oportunidade de crescimento. No entanto, a depender de nosso desempenho nessa experiência, ao invés de evoluirmos, podemos simplesmente regredir, graças a outra lei divina, a de Causa e Efeito. Em princípio, do ser espiritual lançado no plano físico, a divindade espera que cresça e aproveite as belíssimas oportunidades de evolução que estão ao seu alcance, orientados por bens naturais que estão presentes em nossa programação original, tais como humildade, lealdade, bondade, desapego, sabedoria, etc.  Porém, junto com a programação para o bem, viemos também munidos de uma faculdade inerente à condição de encarnados, o livre arbítrio, que nos dá a capacidade de escolhermos nossos caminhos como quisermos. 

Nesse grande laboratório dual, a luz da evolução possível está sempre ameaçada pelas trevas do atraso, ocasionado quase sempre por nossos medos, traumas, descontentamentos e covardia. A prevalecerem essas características ao longo de nossa caminhada, a experiência física estará alinhada com as forças perversas do mal, criando orgulho, vaidade, maldade, preguiça, avareza, etc. Isso vai nos gerar débitos que deverão ser quitados mais cedo ou mais tarde, pois a justiça divina é inexorável e atemporal.  Vida após vida, o conjunto de créditos e débitos são checados, até que tenhamos avançado para um ponto a partir do qual nossa evolução tenha se completado, não sendo mais necessário voltar para nova experiência em corpo físico. Nesse estado, dizem os místicos, teremos enfim chegado à Iluminação. Até que se dê esse portentoso evento cósmico, estaremos repetindo o ciclo mais uma vez, nem que seja por milhares e milhares de anos, pois, na eternidade o conceito de tempo não existe.   


Como vai saber o ser encarnado sobre suas existências anteriores? Enquanto habitante de um corpo físico, ele não sabe, por que essa lembrança não está disponível na sua memória cerebral, uma vez que veio programado com um véu do esquecimento, parte integrante do sistema de livre arbítrio. No entanto, ao fazer com a divindade um novo acordo de reencarnação, o balanço de créditos e débitos lhe foi mostrado e avaliado. E mais, juntos fizeram um plano de vôo, no qual o ser encarnado assumiu certos compromissos, sempre ligados à evolução espiritual, algo que ele cumprirá ou não, decorrendo daí o sucesso ou fracasso de execução do plano, ou seja, daquela encarnação específica, do ponto de vista tanto do resgate do karma de vidas passadas, quanto do progresso no caminho da evolução espiritual. Todas essas informações ficam armazenadas na sua Alma, digamos assim, aquela mídia que se mantém vida após vida. 

Porém, há outras formas de se acessar os arquivos de memórias anteriores ao evento da vida nesta encarnação. É comum que em processos de meditação, induzidos ou não, o praticante tenha insights de episódios ocorridos no mundo astral ou mesmo em vidas passadas. Alguns chegam a acessar os registros akáshicos, onde está armazenado seu pacto reencarnatório. 

Outra forma de acesso são os processos terapêuticos baseados em hipnose induzida, em estado alterado de consciência, onde o paciente é levado a recordações fora do alcance de sua memória cerebral, o que Freud chamou de catarse. Sob esta técnica, ao atingir o núcleo de uma experiência traumática ocorrido em vida passada, o indivíduo sentiria a liberação da energia psíquica ali retida, ocasionando a dissolução do nódulo traumático e aliviando os sintomas, e mesmo chegando a cura completa da neurose associada, quando acompanhado por psicoterapias de apoio. 


Já na visão espiritista, o terapeuta de vidas passadas trata a suposta presença de espíritos obsessores, seres que têm como objetivo interferir na vida do indivíduo, de modo a minar-lhe as energias vitais e desviá-lo do cumprimento de sua missão na vida, ou seja, seu pacto reencarnatório. Estes obsessores estariam a serviço dos seres de baixa vibração, verdadeiros diabos que vivem nas trevas umbrais e procuram desviar da evolução todos os seres encarnados que se acham indefesos às suas investidas. Neste caso, o terapeuta invoca o apoio de mentores espirituais do próprio indivíduo, que são seus guias de luz, entidades que estão encarregadas da proteção contra os obsessores e outras energias de perfil espiritual vampiresco. Utilizando médiuns encarnados para se comunicar com os espíritos obsessores, o terapeuta executa a doutrinação desses seres das trevas, procurando afastá-los e fazer cessar suas influências, liberando o paciente de volta para sua missão de vida.   


Há uma variação da visão espiritista, conhecida como Captação Psíquica, que se utiliza das mesmas técnicas mediúnicas associadas com procedimentos psico terapêuticos, onde o paciente permanece lúcido e sob controle de seus processos mentais conscientes. Só é solicitada sua colaboração para permitir acesso às suas memórias subconscientes e inconscientes, aquelas guardadas em seus componentes sutis, fora da memória cerebral, onde estariam registrados os eventos traumáticos e obsessivos. Aqui, o terapeuta de vidas passadas acessa, através dos médiuns, os aspectos obscuros ou desvios de personalidade do paciente, resistentes ao processo terapêutico convencional ou aos tratamentos espirituais. Interagindo com o paciente à luz do presente, sobre conteúdos e ressonâncias captados  de vidas passadas, o tratamento leva o indivíduo a compreender conscientemente a origem de seus traumas, tendo a oportunidade de trazê-los para sua vida atual sob novo enfoque, adequado a seu propósito atual de evolução e projetos de vida. Olhe que boa notícia!