quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

URNA ELETRÔNICA, que isso tem a ver com os telhados de Paris?



Em 1982 eu estava apurando de forma paralela as eleições para governador de Santa Catarina, a partir dos boletins de urna liberados pelo TRE-SC. Estava a serviço do PMDB e seu candidato ao governo do estado, que tentava tirar do poder a oligarquia Ramos-Bornhausen, apoiadores tradicionais da ditadura militar e detentores do poder no estado há uns cem anos, mais ou menos. Tínhamos montado um centro de processamento de dados na residência do presidente do PMDB, uma mansão na avenida Beira Mar em Florianópolis. 

Recebíamos cópia dos boletins de urnas do TRE, digitávamos os dados e computávamos o resultado, para orientação da direção do partido. Percebemos que havia uma quantidade muito grande de votos anulados. Por outro lado, vinham notícias de que no interior, as apurações eleitorais se davam em clima tenso, por que as mesas apuradoras atuavam em favor dos candidatos governamentais da ARENA, o partido da ditadura, agora transfigurado em PDS. 

Depois, em 1990, longos oito anos depois, fui convocado pelo TRE-SC para trabalhar na primeira experiência de automação da contagem oficial dos votos, a partir da digitação dos velhos boletins de urnas. Designado para o distante município de São Lourenço do Oeste, ao chegar, fui apresentado à juíza eleitoral, que me apresentou em seguida a um senhor muito simpático, a quem ela se referiu como "nosso candidato". 

--- "Como assim, "nosso candidato", excelência?"
--- "Errr, quero dizer, o candidato da cidade".

O candidato da cidade era do mesmo PDS da ditadura e perdeu a eleição para um farmacêutico filiado ao PMDB, naquele ano em que o povo brasileiro resolveu que os herdeiros da ditadura não tinham mais sua confiança. Está claro que, em seguida, todos migraram para partidos sociais democratas e se desvincularam da herança maldita da ditadura militar,  mas isso faz parte da nossa esperteza política, que não é percebida pelo eleitor comum, como demonstraram as nossas últimas eleições. 

Naquelas eleições manuais,  a Juíza exercia plenamente sua prerrogativa de anular votos, principalmente os que não eram destinados ao seu "candidato da cidade". Anulava principalmente os votos no candidato emergente do PT, um agricultor ligado ao movimento católico das comunidades. Ouvi um assessor da Juíza chegar no ouvido dela e dizer "doutora, os petistas estão irritados, temo pela segurança das apurações, a senhora está anulando muitos votos deles". A resposta dela, de modo totalmente autoritário, me impressionou deveras:  "Não tenho culpa se eles não sabem votar!"








sábado, 17 de janeiro de 2015

QUANDO EU CHEGAR A 64








Quando eu ficar mais velho, perdendo meus cabelos
Daqui a muitos anos ...
Você ainda irá me mandar presentes no dia dos namorados?
Cartão de parabéns no dia do aniversário?  Garrafas de vinho?
Se eu ficar fora de casa até quinze pras três
Você irá trancar a porta?
Você ainda vai precisar de mim?  Vai me alimentar?
Quando eu chegar a sessenta e quatro?

Você estará mais velha também
E se você disser que sim
Eu poderia ficar com você.

Prometo que serei útil, consertando um fusível,
Quando suas luzes se apagarem sem aviso.
Você poderia me tricotar uma blusa para o frio
E nas manhãs de domingo poderíamos fazer um passeio.
Cuidaremos do jardim, arrancaremos as ervas daninhas.
O que mais eu poderia querer?
Você ainda vai precisar de mim?  Vai me alimentar?
Quando eu chegar a sessenta e quatro?

Num inverno no sul, poderíamos alugar uma cabana
No meio da Amazônia.
Iremos apertar os cintos e economizar
Netos sentados nos nossos colos
Vera, Pedrinho e Davi.

Publique uma linda foto no meu facebook, mande-me um e-mail
Informando o seu ponto de vista
Indique precisamente o que quer dizer
Não se esqueça de um  "atenciosamente" supérfluo
Me dê uma resposta, preencha no roda-pé:
"Meu para todo o sempre"
Você ainda vai precisar de mim?  Vai me alimentar?
Quando eu chegar a sessenta e quatro?





"When I'm Sixty-Four" foi uma canção emblemática da década de 60, das muitas compostas por Paul McCartney nos primeiros anos dos Beatles, quando ainda tocavam no lendário Cavern Club de Liverpool, antes de seguirem para Londres.  Ficou assim, tipo reserva de alternativa para lado B, enquanto os Beatles gravavam coisas quentes como "She Loves You" , "Twist and Shout" e outros típicos rock-and-rolls do início da carreira de sucessos estrondosos. 

A canção foi finalmente gravada em dezembro de 1966, quando se iniciava a produção daquele que seria o mais significativo e revolucionário álbum dos Beatles, o "Sargent Pepper's Lonely Hearts Club Band".  O disco tinha coisas absolutamente geniais, saídas da mente brilhante de George Martin, o mago de estúdio das gravações dos Beatles. Trazia no repertório a joyciana e sinfônica "A day in the life", assim como a psicodélica "Lucy in the ski with diamonds". E não custava nada colocar no meio daquelas coisas bizarras uma doce balada suavemente embalada por um trio de clarinetes, tocando à moda antiga uma canção sobre a velhice, naquele que seria o álbum sonhado por George Martin para acabar de vez com a polêmica sobre qual seria a melhor e mais completa banda de música jovem do mundo... E assim foi. Sucesso imediato de crítica e público, Sargent Pepper's foi certamente o disco que mudou a história da música popular no planeta. Provocou tanta reação que os californianos rebeldes ensaiavam uma resposta. A banda The Beach Boys tinha mercado cativo na América branca, e seu marketing apregoava que eles tocavam o verdadeiro rock and roll e eram melhores que aqueles ingleses certinhos e chatos. 

A competição entre as duas bandas era incentivada pela indústria fonográfica, pois assim ambas vendiam mais discos. Na canção mostrada abaixo, por exemplo, os Beatles tiram um sarro do estilo surf-music norte americano. Segundo conta a lenda, McCartney sempre ouvia americanos que viajavam reclamarem da saudade do fast-food, dos donuts e da lavanderia automática, coisas típicas dos Estados Unidos. Ele resolveu então narrar o inverso: um russo saindo de Miami e voltando para sua pátria, a União Soviética. Percebeu que a sigla em inglês da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, que era USSR, continha a sigla dos Estados Unidos da América, US, e aproveitou-se disso para fazer uma paródia da canção "Back in the U.S.A." grande sucesso dos Beach Boys. Em um ponto de sua canção os Beatles cantam: "Back in the US, back in the US, back in the USSR" para deixar clara a brincadeira.





Quando os americanos do Beach Boys se juntaram em estúdio para dar a resposta esperada, o lider e mentor da banda, Brian Wilson, literalmente pirou. Saiu do ar direto para uma clínica de internamento psiquiátrico e os Beatles ficaram sozinhos na parada. Permaneceram juntos mais dois ou tres anos, até que a banda acabou. A partir de 1970 outras bandas assumiram a ponta da tabela, mas, o público do rock já era outro não estavam tão interessados em saber se os Stones eram melhor que o Led Zeppelin, ou o contrário.  


Há quem diga que nunca mais se vai produzir algo como o Sargent Pepper's. 
Talvez por que falte hoje as motivações daqueles anos loucos ...


Ficar velho é uma coisa complexa. Eu diria mais, é uma coisa perplexa! Ninguém quer morrer jovem, mas, todos temem a velhice. Algumas vezes a tentamos disfarçar, como a velha senhora que passa pela sétima cirurgia plástica, sempre em busca da eterna aparência jovem. Ou do cavalheiro de meia idade que compra uma perua 3.0 importada do Japão, tração nas quatro rodas e ele só anda no asfalto da cidade, de balada em balada que o faça esquecer que a sua própria potência já não é compatível com a máquina que conduz.  Não há milagre que funcione quando o relógio marca a inexorável passagem do tempo, apesar da ilusão coletiva afirmar várias artimanhas para disfarçar a realidade, desde a risível ameaça de que a "terceira idade" é a "melhor idade", até a filosófica frase "a vida começa aos quarenta", com que costumamos consolar aqueles que entram nas idades dos "entas" e delas provavelmente nunca sairão, a menos que o indivíduo complete um século de vida, coisa muito rara

Por outro lado, há certos benefícios em envelhecer, segundo observou um estudo científico realizado com um grupo de idosos saudáveis acima de 66 anos de idade. Por mais incrível que pareça, vamos listar cinco destas supostas vantagens:

1 - Você ficará acordado mais tempo. Seja o que for que isso signifique, o fato é que pessoas idosas dormem menos e, portanto, teriam mais tempo para "aproveitar" a vida.

2 - Foco na felicidade. Cérebros de idosos parecem selecionar as melhores lembranças, aquelas mais felizes do passado, dando a impressão de que suas vidas foram sempre muito gratificantes.

3 - Sabedoria. Pessoas idosas costumam tomar melhores decisões, por que a vida lhes ensinou a considerarem e conectarem várias informações entre si, mesmo as irrelevantes, formando um contexto mais abrangente. 

4 - Vida sexual gratificante e variada, sem preocupações com gravidez, falta de ereção, ejaculação precoce, essas coisas que costumam atormentar a vida sexual dos menos experientes. O sexo oral envelhece menos ainda! 60% dos participantes da pesquisa afirmaram terem praticado essa variedade nos últimos doze meses.

5 - Ter crianças por perto sem as inconveniente fraldas, birras, febres e infecções de ouvido. São os netos que chegam. E se vão, graças a deus!


Dos integrantes dos Beatles que gravaram "Quando eu chegar a 64" naquele distante dezembro de 1966, dois não chegaram. Lennon e Harrison, um assassinado e outro vítima de câncer. 

Felizmente chegaram o autor da canção, McCartney e o baterista Ringo Starr. 
E eu, ora bolas. 



  



































quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Estado desorganizado + Crime organizado = BARBÁRIE.





Em um artigo anterior passamos alguns números estatísticos sobre a violência no Brasil. Vimos que a polícia brasileira mata quatro vezes mais que a dos Estados Unidos, apesar da fama de país violento e racista que o senso comum imagina em relação a América do Norte. Vimos também que o Reino Unido é um dos países mais pacíficos do mundo, apesar de nosso olhar emocional reter ainda nas retinas o assassinato do eletricista brasileiro em Londres, confundido com um terrorista de origem árabe. 

São apenas detalhes de um mundo violento. Memórias e preconceitos que, assim como a fria estatística, não explica a violência. Tampouco ela se explica apenas como consequência de uma realidade cruel, particularmente a brasileira, onde se misturam os assaltos, assassinatos, chacinas, extermínios, mortes nos acidentes de trânsito, o crescente estado de pobreza e a miséria da população (ainda que os governos propagandeiem o contrário), a favelização das metrópoles, o menosprezo ao problema dos meninos e meninas de rua, a terrível ameaça de completa desagregação dos valores familiares e morais, causada pelo tráfico de drogas. Poderíamos continuar listando variadas causas e, mesmo assim, não teríamos chegado ao cerne da explicação.

Tão importante quanto a violência explicitada em (f)atos reais é a sensação de insegurança. São como os flashes de um cotidiano sufocante, a sensação de perigo iminente, como o sacrifício da mãe de classe média que sai de casa às quatro da manhã para buscar o filhote adolescente, na balada com os amiguinhos aprendendo a ser medroso também. O sujeito que sai do banco com dinheiro vivo e acelera os batimentos cardíacos quando coloca o pé na calçada, olhando desconfiado para os lados e tentando caminhar o mais rápido que pode até o carro, estacionado à várias quadras dali.  O empresário que sai de casa de manhã em direção ao trabalho e para no sinal vermelho, vendo se aproximar ameaçadoramente o limpador humano de parabrisas. O casal que vai ao teatro à noite e deixa o carro estacionado na rua, quando o guardador anuncia "são vinte pratas, doutor, adiantado por favor".  Nada disso está nas estatísticas. Mas, tudo isso contribui para a diminuição da nossa qualidade de vida urbana.  Tudo isso nos coloca em risco frente a uma náusea inexplicada, como quando passamos diante da cracolândia. Não fazemos parte dela, não dormimos na rua, não nos drogamos como eles, nossos bens materiais e afetivos estão seguros. Mas, a visão do inferno nos deixa impregnados de uma peste social que contamina nossa alegria.



                                           Gonzaguinha compunha canções de amores

No entanto, há um outro tipo de violência institucional que nos afeta profundamente como cidadãos, mas que quase nunca é citada como tal: a falência moral dos gestores do estado brasileiro. Há quanto tempo vimos os grandes golpes, os grandes escândalos financeiros, as grandes negociatas que nos colocam no papel de palhaços pagadores de impostos, enquanto os detentores das posições de mando se locupletam, em contraposição à miséria de nosso povo?  Paremos um pouco para pensar no que representam as fraudes nos contratos da Petrobrás. Vamos verificar que bilhões e bilhões de dólares foram desviados simplesmente para os patrimônios pessoais dos corruptos, enquanto a empresa, a maior do Brasil, sucumbe vergonhosamente no mercado internacional, devendo o có e as calças, pagando juros extorsivos, jogando fora o futuro de nossos filhos. E este é só o mais recente escândalo, algo que a polícia federal conseguiu decifrar, o que nos leva a perguntar: QUANTOS MAIS?  A história recente da rés pública não nos autoriza a termos qualquer ilusão a este respeito. A Enciclopédia mundial na Internet, Wikipedia, propõe um "museu dos escândalos" e fornece uma lista de possíveis peças a enfeitá-lo. Tem tempo para dar uma olhada?, senão salta para o próximo parágrafo, por que tem mais.

Anos 70[editar | editar código-fonte]

  1. Caso Lutfalla (1977) 
  2. Caso Roberto Farina

Anos 80[editar | editar código-fonte]

  1. Escândalo da Mandioca (1979 e 1981)
  2. Escândalo da Proconsult (1982)
  3. Caso Chiarelli (1988)

Anos 90[editar | editar código-fonte]

  1. Caso Jorgina de Freitas
  2. Caso Edmundo Pinto (1992)
  3. Caso Nilo Coelho
  4. Caso Eliseu Resende
  5. Caso Queiroz Galvão
  6. Caso Ney Maranhão
  7. CPI do Detran (em Santa Catarina)
  8. Dossiê da Pasta Rosa (1995)
  9. Escândalo dos Anões do Orçamento
  10. Caso Rubens Ricupero (também conhecido como "Escândalo da Parabólica").
  11. Escândalo do Sivam
  12. Escândalo do Banestado
  13. Escândalo da Encol
  14. Escândalo da Mesbla
  15. Dossiê Cayman (ou Escândalo do Dossiê Cayman ou Escândalo do Dossiê Caribe)
  16. CPI do Banestado
  17. Banco Nacional de Minas Gerais
  18. Banco Noroeste
  19. Banco Econômico
  20. Bancos Marka e Fonte Cindam
  21. Escândalo da SUDAM e da SUDENE

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

  1. Caso Luís Estêvão
  2. Caso Toninho do PT
  3. Caso Celso Daniel
  4. Operação Anaconda
  5. Escândalo do Propinoduto
  6. Escândalo dos Bingos (ou Caso Waldomiro Diniz)
  7. Caso Kroll
  8. Escândalo dos Correios (Também conhecido como Caso Maurício Marinho)
  9. Escândalo do IRB
  10. Escândalo do Mensalão
  11. Mensalão mineiro
  12. Escândalo do Banco Santos
  13. Escândalo dos Fundos de Pensão
  14. Escândalo do Mensalinho
  15. Caso Escândalo da Quebra do Sigilo Bancário do Caseiro Francenildo)
  16. Escândalo das Sanguessugas (Inicialmente conhecida como Operação Sanguessuga e Escândalo das Ambulâncias)
  17. Operação Confraria 
  18. Operação Dominó
  19. Operação Saúva
  20. Escândalo do Dossiê
  21. Escândalo da Renascer em Cristo
  22. Operação Hurricane (também conhecida Operação Furacão)
  23. Operação Navalha
  24. Operação Moeda Verde
  25. Caso Renan Calheiros ou Renangate
  26. Caso Joaquim Roriz (ou Operação Aquarela)
  27. Escândalo dos cartões corporativos
  28. Caso Bancoop
  29. Esquema de desvio de verbas no BNDES
  30. Máfia das CNH's
  31. Caso Álvaro Lins, no Rio de Janeiro
  32. Operação Satiagraha ou Caso Daniel Dantas
  33. Escândalo das passagens aéreas
  34. Escândalo dos atos secretos
  35. Caso Gamecorp
  36. Escândalo dos Correios
  37. CPI das ONGs
  38. Operação Faktor

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

  1. Caso Erenice Guerra
  2. Operação Tsunami
  3. Esquema do Plano Safra Legal
  4. Operação Esopo ou Escândalo do Ministério do Trabalho 
  5. Caso Siemens (e Caso Alstom
  6. Operação Maet (Judiciário corrompido no TJ-TO)
  7. Caso Ana Cristina Aquino (Escândalo do PDT) 
  8. Operação Lava Jato | Petrolão

Para bons observadores, percebe-se que os casos estão aumentando vertiginosamente. Isso é reflexo da desmoralização da gestão pública em todos os níveis, de prefeito a presidente(a) da república, de vereador ao presidente do congresso nacional, do juiz de uma pequena vara no interior ao presidente do supremo tribunal federal.

Para quem quiser maiores detalhes, todos estão descritos a partir da página
http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_escândalos_políticos_no_Brasil

"Onde está o dinheiro?" O gato comeu.

Diz-se que "violência gera violência". Nada mais verdadeiro que este círculo vicioso que vai aumentando os riscos de um final trágico. É comum no nordeste brasileiro que uma ofensa seja respondida com violência maior. Assim, um governador de estado, hoje confortavelmente sentado na cadeira de Senador, resolveu responder com um tiro na boca ao inimigo político que falara mal dele nas rodas sociais de seu estado. Também é comum que famílias vinguem um assassinato com vários outros, contra a família do agressor inicial. Todos pagam a conta, inclusive os inocentes de ambos os lados. 

Algumas injustiças sociais ou escolhas equivocadas feitas pela nação, também geram violência sobre violência, acelerando o processo de barbárie. Vamos citar apenas três exemplos principais, sem entrar no mérito de cada assunto, senão o espaço deste artigo seria tamanho gigante e, portanto, ilegível. Mas, cada um desses temas, por si próprios já daria uma tese acadêmica.

1) MÁ DISTRIBUIÇÃO DA RENDA
Neste quesito o Brasil é um dos piores no ranking mundial. Os melhores exemplos estão nos países escandinavos (Dinamarca, Suécia, Noruega), onde a diferença entre um diretor de empresa e um operário especializado é de quatro vezes, em média, contra 37 vezes no Brasil (Total Remuneration Surveys, 2014, da Consultoria Mercer).  O salário mínimo na Noruega é de 15 mil reais e o desemprego 2%, com gratuidade em excelentes serviços de saúde e educação. Na Dinamarca é comum que o presidente da empresa e um trabalhador comum sigam para o trabalho no mesmo trem do metrô. É só comparar com o Brasil. 

2) ÊXODO RURAL E FAVELIZAÇÃO DAS CIDADES
Segundo o IBGE, 90% da população brasileira estará vivendo em cidades até o ano 2020. Isso se deve a concentração de terras produtivas, mecanização das lavouras destinadas à exportação de grãos, com baixa intensidade no uso de mão de obra. Gera uma concentração urbana descomunal, com mão de obra semi analfabeta, formando cinturões de pobreza. A Holanda, um pequeno país que luta contra as invasões das águas do mar, subsidia a permanência de seus camponeses na zona rural, produzindo principalmente flores e leite, destinados principalmente à exportação. O excedente lácteo é doado a paises miseráveis da África, América e Oriente. Quando morei temporariamente em Manaus, o leite de lá era de alta qualidade, mesmo estando à 3 mil quilômetros de qualquer produção leiteira. Vinha em pó da Holanda! A existência de uma população rural vivendo com qualidade de vida é essencial e estratégico para o equilíbrio social. A essência do latifúndio moderno é quebrar esta lógica. No Brasil, os latifundiários estão no governo! 

3) DESAGREGAÇÃO FAMILIAR E RELIGIOSA
Numa sociedade agrária e conservadora, como era o Brasil de 50 anos atrás, as igrejas cristãs tradicionais pesavam como mediadoras das relações interpessoais e sistêmicas. Aos poucos a população foi deixando de lado a frequência religiosa, devido a razões que não interessam aqui, ou migrando para igrejas evangélicas de tipo pentecostal (Assembléia de Deus, Universal, Mundial, etc), que estão mais interessadas na arrecadação de recursos do que nos conflitos pessoais. É a religiosidade de massas, apropriada para grandes metrópoles e concentrações urbanas de populações miseráveis. A família perdeu seus laços tradicionais e a droga pesada tomou conta dos enclaves na periferia. Os pobres foram sendo empurrados para cada vez mais longe, consumindo cada vez mais tempo em transporte, causando prejuízo das relações familiares. Crianças ficam abandonadas à própria sorte em suas comunidades, sem escolas, sem alternativas de lazer e sem bons exemplos. Não quero ser pessimista, mas, o cenário está mais que pronto para a grande catástrofe !!!  



2
OO

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Violência




Cinco anos atrás eu ia entrando no cartório do Rio Tavares, Floripa, quando um sujeito de capacete me apontou uma pistola. Achei engraçado, pois ele se parecia com o filho de um amigo meu. Quase dei um abraço naquele rapaz, dizendo "Tá bem, entendi a brincadeira, mas, como vai o velho?". Graças a alguma força superior, não completei a intenção, pois ele gritou "Não me olhe! Senta naquele sofá e cala a boca!".  Foi quando eu vi várias pessoas deitadas no chão e outras sentadas nos sofás da recepção. Outro sujeito revirava as mesas do cartório. Era um assalto à mão armada, cinco horas da tarde de uma sexta feira.

Dez anos atrás numa manhã de sábado eu saia da praia de Campeche, vizinha do tal Rio Tavares, e me dirigia ao meu veículo estacionado num lugar ermo, no meio de um gramado perto das dunas. No meio do curto caminho dois rapazes que eu supunha serem surfistas, que estavam na mesa ao meu lado no Bar do Chico, se chegaram como quem não quer nada e um deles me apontou uma arma: "Passa a chave do carro, rápido, rápido..." Espantado, tentei negociar: "Aqui está, mas, deixa pelo menos eu pegar minha sacola, que contém roupas e dinheiro!!!". "--- Cale a boca, não me olha e só me dá a chave". Não me sobrou alternativa senão vê-los sair em disparada com meu carro, enquanto eu ficava semi nu no meio da rua. Precisei voltar e pedir ao velho Chico um empréstimo emergencial para pegar um táxi.    

Se a violência pura e simples já chegou no interior da Ilha de Santa Catarina, um local considerado até outro dia um paraíso para se viver com tranquilidade e segurança, imagine a situação em metrópoles como Rio de Janeiro e São Paulo.  

Algum tempo atrás eu estava trabalhando em Furnas, estatal federal de energia elétrica localizada em Botafogo, Rio de Janeiro. No final de semana planejava uma visita a um subúrbio distante, Pavuna, ponto final da linha do metrô. Meus colegas ficaram apavorados: "Você está louco? Não faça isso, pois, é provável que não saia vivo de lá".  Quarenta e poucos anos atrás, eu subia os morros e favelas do Rio de Janeiro, vez em quando frequentava ensaios de samba na Império da Tijuca, no Salgueiro, nos subúrbios e outros lugares, sem qualquer problema. Éramos muito bem recebidos nestes lugares e meus amigos só se envolviam em confusão quando estavam paquerando alguma morena, cujo eventual namorado ficasse enciumado. 


Normalmente os assaltos contra cidadãos e pequenos estabelecimentos, assim como os sequestros relâmpagos,  são práticas usadas principalmente para a compra de drogas. Esta é a grande novidade do mercado, a dependência química que leva os indivíduos a perderem a noção de valor da vida humana, inclusive a dos próprios assaltantes, que se arriscam cada vez mais diante da reação da população e das polícias. Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em média DUAS MIL pessoas são mortas por ano no Brasil em confronto com a polícia. Por seu turno, 300 policiais perdem a vida no mesmo período. 




Interessante notar que em comparação com os Estados Unidos, país considerado ultra violento, a polícia brasileira mata QUATRO vezes mais, por grupos de 100 mil habitantes. Em todo o Reino Unido, a polícia matou 15 cidadãos em confronto durante todo o ano de 2012, ou seja, a polícia brasileira matou 100 pessoas por grupo de um milhão, enquanto o Reino Unido matou 4,3 pessoas na mesma base, quase 25 vezes menos. Deixando de lado a guerra restrita a policiais e bandidos, os números da sociedade civil não são menos preocupantes: 50 mil homicídios por ano no país, tres vezes mais do que há 30 anos.

Ainda assim, a elite e os governos brasileiros não se dão conta (ou não querem ver) da gravidade social representada pela violência. Talvez por que a imensa maioria desses crimes e mortes em confronto sejam entre pessoas das classes subalternas, pobres, negros e excluídos sociais. 

Mas, deveriam! O custo da violência no Brasil oscila entre 6% a 10% do PIB, a depender de variadas fontes. Se a isso agregarmos a corrupção endêmica, a qual, segundo a FIESP gira em torno de 2% do PIB, podemos estar jogando no lixo algo como US$ 250 bilhões (de dólares!, de dólares!) por ano, maior que os PIBs de nossos vizinhos Uruguai, Paraguai e Bolívia e, certamente, maior que o produto interno bruto da maioria dos países do planeta Terra. É assustador !